Era Uma Vez… Irmãos Grimm

Jacob Grimm e Wilhelm Grimm

Conhecidos como irmãos Grimm foram célebres acadêmicos, pesquisadores de cultura, linguísticas e lexicógrafos alemães.

Filhos mais velhos sobreviventes de uma família de seis crianças, cresceram em Hanal, Hesse. Apesar de enfrentarem a pobreza após a morte do pai, foram educados na universidade de Marburg, graças à ajuda de uma tia bem relacionada.

Credita-se a eles uma metodologia pioneira na coleta de histórias folclóricas, a qual serve atualmente como base para estudos do folclore. Também foram notáveis filólogos. Os dois trabalharam ainda num monumental dicionário da língua alemã, obra deixada incompleta após a morte de ambos.

Enriquecimento da cultura ocidental

Os irmãos Grimm, como tantos folcloristas, embarcaram no projeto erudito para identificar e preservar o espírito popular por meio de registro de contos de fadas disseminados em sua cultura.

Era um empreendimento épico e romântico: o interesse pelo folclore inspirava-se no crescimento do nacionalismo e do orgulho cultural. A proposta de coletânea dos irmãos Grimm não foi diferente. Também não foram eles os únicos estudiosos europeus a iniciar essa empreitada: seus parceiros de universidade compartilhavam com eles o entusiasmo pelas tradições folclóricas. Mas a obra dos Grimm, conforme mostrado nos Contos maravilhosos infantis e domésticos, representava o maior compêndio de contos coletados na Europa e também de traduções e leituras.

W. H. Auden declarou que os contos dos Grimm estão “entre os poucos livros de domínio público sobre os quais a cultura ocidental pode se fundamentar”.

A metodologia para coleta dos contos não inclui investidas pelas florestas, como pitorescamente se costuma pensar. As fontes consultadas pelos Grimm geralmente vieram até eles, e algumas histórias já haviam sido escritas, como é o caso de “O junípero” que lhes foi enviada pelo pintor Philip Otto Runge.

Em sua primeira edição, Os irmãos Grimm se dedicaram principalmente ao público adulto. Foi somente após o sucesso entre as crianças da tradução de sua obra para o inglês, realizada por Edgar Taylor, em 1823, que se fizeram revisões para amenizar o conteúdo dos Contos alemães. Por exemplo, sua primeira versão de Rapunzel fazia referência aberta à gravidez da moça (fora do casamento). na versão revisada, ela simplesmente engorda. Com tudo, a violência não foi necessariamente minimizada . A Cinderela francesa, no conto de Charles Perrault, perdoa as irmãs e encontra bons maridos para elas. Na versão punitiva dos irmãos Grimm, no entanto, os passarinhos que ajudam Cinderela cegam as irmãs com bicada em seus olhos.

Não obstante a violência, a popularidade dos contos compilados pelos Grimm perdurou, e deles houve múltiplas interpretações e reescritas em diversas mídias ao longo dos anos. A descrição romântica do “era uma vez…” continua a manifestar verdades inextinguíveis que, somadas a um encantamento de um final feliz e harmonioso, tem demonstrado fortes apelo durante as gerações.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s